Imagem de destaque ATENÇÃO TOTAL!!! - LIRAa mostra que 15 de cada 100 casas de Montes Claros têm criadouros do mosquito da dengue

ATENÇÃO TOTAL!!! - LIRAa mostra que 15 de cada 100 casas de Montes Claros têm criadouros do mosquito da dengue

24/01/2023 - 11:38
ASCOM | Texto: Attilio Faggi | Fotos: Divulgação | Secretário de Comunicação: Alessandro Freire

O penúltimo Levantamento Rápido de Índices para o Aedes aegypti (LIRAa), realizado pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Prefeitura de Montes Claros entre os dias 7 e 11 de novembro de 2022, havia identificado um índice de infestação de 5,7%, o que, na prática, quer dizer que entre 5 e 6 residências, a cada 100, apresentavam criadouros do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika, o Aedes aegypti.

Agora, acaba de ser divulgada a primeira edição do LIRAa de 2023, que foi realizado entre os dias 9 e 20 de janeiro. A situação exige uma atenção ainda maior, uma vez que o percentual de infestação chegou a 15% em Montes Claros. Para se ter uma ideia, o Ministério da Saúde classifica como Bom até 1% de infestação; entre 1 e 3,9, como Alerta; e, a partir de 3,9%, como Risco de Surto.

Ainda conforme orientação do Ministério da Saúde, Montes Claros foi dividida em 25 estratos, cada um deles com o mínimo de 8.100 e máximo de 12 mil imóveis, e todos eles apresentaram alto risco de infestação. Entre os bairros com maior índice de infestação estão Golden Sul (50%), Vera Cruz (48,2), Distrito Industrial I (45), Santa Cecília (41,3) e Vila Camilo Prates (37,5).

Assim, já foram intensificadas as atividades de combate ao vetor pelas equipes do Programa de Controle de Doenças Transmitidas pelo Aedes aegypti, que realizou mapeamento e monitoramento de pontos críticos com intervenção imediata, após o diagnóstico. Foram realizadas visitas educativas nos imóveis reincidentes críticos ou com focos, trabalhos de mutirão e resgate de casas fechadas, priorizando as microrregiões com maior índice de infestação ou de casos notificados.

Foi identificado que 96,7% dos criadouros foram encontrados em imóveis, e o restante em lotes vagos. A grande maioria, 41,5% dos focos, estava em depósitos móveis (vasos com plantas, recipientes de degelo de geladeiras, bebedouros de animais, reservatório de climatizadores, objetos religiosos e pequenas fontes ornamentais); 20,8%, em depósitos ao nível do solo (barril, tonel, tambor, tanque, poço e cisterna); e 14,7%, em depósitos passíveis de remoção (recipientes plásticos, garrafas, latas, sucatas e entulhos).

Na próxima sexta-feira, 27, às 8h30, o Comitê Municipal de Mobilização Social de Combate à Dengue, que é composto por representantes do poder público, como forças de segurança e órgãos de saúde, e de empresas de grande porte instaladas na cidade, se reunirá na sede do CCZ para discutir ações e analisar os resultados das medidas que já foram adotadas.